Cisto Sinovial no Pé

Síndrome do Impacto Posterior do Tornozelo
março 1, 2021
Unha Cravada | Dr. Rodrigo Macedo
Unha Encravada
maio 5, 2021
Cisto Sinovial no Pé | Dr. Rodrigo Macedo

O cisto sinovial no pé, também chamado de cisto gangliônico, tem uma grande ocorrência nesta região. Ele corresponde a uma pequena bolsa cheia de líquido ou muco que se desenvolve sobre um tendão ou articulação, que comumente ocorre na parte superior do pé. O seu conteúdo consiste em líquido sinovial, que é o líquido que banha os tendões e articulações, facilitando o movimento.

O cisto é uma condição benigna, que normalmente se apresenta abaixo da pele, podendo ou não ser dolorosa. A sua consistência costuma ser macia, mas com o tempo pode se tornar mais firme ao toque. O tamanho e a localização podem mudar com a atividade, e pode até mesmo desaparecer, recorrendo após algum tempo.

Cisto Sinovial em Mediopé | Dr. Rodrigo Macedo

Foto clínica demonstrando cisto sinovial em mediopé. Circulo azul indicando local.

Causas do Cisto Sinovial no Pé

  • Idiopática (desconhecida)
  • Trauma local
  • Traumas repetitivos
    • Algumas atividades esportivas
    • Calçados apertados
  • Artrite
  • Tendinite

Como é o diagnóstico do Cisto Sinovial no Pé

O diagnóstico é clínico!

Na maior parte das vezes, é possível identificar a lesão através do exame físico, entretanto, com o auxílio dos exames de imagem, conseguimos identificar com mais precisão o tamanho e localização do cisto, assim como as sua relação com outras estruturas. O ultrassom e a ressonância são as melhores opções nesse sentido.

Cisto Sinovial no Pé | Dr. Rodrigo Macedo

Ressonância Magnética demonstrando cisto sinovial em mediopé. Seta azul indicando local.

Tratamentos

  • Não Cirúrgico
  • Cirúrgico

Quando a massa não estiver causando dor e for relativamente pequena, seu médico provavelmente irá propor um tratamento conservador, através de observação e acompanhamento, através da monitorização da lesão.

Quando há dor, limitação de movimento ou dificuldade em usar calçados, o tratamento com intervenção pode estar indicado. A forma menos invasiva de tratamento intervencionista é a aspiração ou drenagem do cisto. A área é anestesiada com anestésico local e uma agulha de grande calibre é usada para remover o conteúdo.

Muitas vezes um corticosteroide ou algum agente esclerosante pode ser injetado para reduzir a probabilidade de recorrência. Embora possam ser eficazes, os cistos sinoviais submetidos a esse tipo de tratamento podem reaparecem. Dependendo do tamanho e da localização do cisto, a cirurgia para remoção pode ser uma opção apropriada! Além do pé, diferentes tipos de cistos podem surgir em outras regiões do corpo, como na mão ou joelho, por exemplo.

Este procedimento é realizado normalmente nos centros cirúrgicos, com uma taxa de sucesso significativamente maior do que uma aspiração, embora complicações relacionadas ao procedimento cirúrgico possam ocorrer.

Apesar de ser benigno na grande maioria das vezes, é importante que o paciente seja devidamente avaliado por um profissional médico, pois apesar de raro, um cisto pode representar uma condição mais séria, como patologias cancerosas por exemplo.

Caso apresente um cisto, procure um especialista de confiança para uma avaliação mais precisa.


FAQ

O que é cisto gangliônico?

É o mesmo que cisto sinovial, são sinônimos. Correspondem a uma pequena bolsa cheia de líquido ou muco que se desenvolve sobre um tendão ou articulação

Porque um cisto dói?

Normalmente a dor associada a presença de um cisto está relacionada ao processo inflamatório local ou à alguma estrutura que está sendo comprimida.

Quem opera cisto sinovial?

O ideal é que o ortopedista, especializado na região ou na patologia sejam o médico a operar o cisto. No caso dos cistos no pé, um ortopedista especialista em pé ou em tumor são os mais habilitados para realizar o procedimento.

Como é feita a cirurgia pra ressecção do cisto?

Em geral um apequena incisão é feita sobre a região afetada, e através de uma dissecção cuidadosa o mesmo deve ser inteiramente retirado e enviado para o serviço de anatomiapatológica para confirmar o diagnóstico.  A ressecção incompleta é um dos fatores relacionados a recidiva local.

WhatsApp