Ruptura do Tendão de Aquiles
abril 25, 2020
Dedos em Garra
maio 14, 2020

O Pé Diabético

O “pé diabético” pode ser considerado um estado fisiopatológico caracterizado por lesões que surgem nos pés da pessoa com diabetes e ocorrem como consequência de neuropatia, doença vascular periférica e de deformidades. As lesões geralmente decorrem de pequenos traumas e frequentemente se complicam com ulceração, infecção superficial ou profunda, ocasionadas por falhas no processo de cicatrização as quais podem resultar em amputação, quando não se institui tratamento imediato de forma adequada.

Metade das amputações não traumáticas de membros inferiores estão relacionadas ao diabetes e o risco de amputação nesses pacientes é mais de 10 vezes maior do que na população geral. Até 20% das pessoas com diabetes que realizam amputação precisaram ser submetidas a uma segunda amputação, geralmente doze meses após a primeira, e que, nos cinco anos seguintes à amputação inicial, de 28% a 51% dos que sobreviveram precisarão submeter- se a uma segunda intervenção no mesmo membro.

A neuropatia periférica é o fator mais significante nesses casos, conduzindo à ulceração do membro inferior. Ela está presente em cerca de 85% dos casos e pode comprometer as fibras sensitivas, as motoras e as autonômicas. O componente sensitivo produz perda gradual da sensibilidade à dor, percepção da pressão plantar, temperatura e propriocepção. Isso faz que o indivíduo apresente lesões a pequenos traumas, muitas vezes dentro do próprio calçado, que não percebe e devido a diminuição da vascularização e capacidade de defesa local leva a infecção secundária e muitas vezes a necessidade de amputação.

Assim, quando se avaliar uma pessoa com diabetes, deve-se enfatizar a prevenção das complicações nos pés, buscando fatores que poderão estar envolvidos direta ou indiretamente na instalação dessas complicações e as consequências destes na vida da pessoa, destacando-se, principalmente, o controle do diabetes. Orientações quanto aos calçados, controle dos níveis glicêmicos e principalmente a correção precoce de deformidades podem evitar desfechos catastróficos nesses pacientes.

Antes e depois após procedimento e início dos cuidados:
WhatsApp